sexta-feira, 19 de maio de 2017

Trabalhando com a turma do 5º ano, cheguei à conclusão de que eles precisam saber manusear com eficiência esse poderoso recurso: o dicionário. Muitas vezes, durante as explanações, levantam as mãos e perguntam o significado de diversas palavras; alguns alunos reclamam que, quando estão em casa, perguntam aos pais e eles não tem paciência para dizer. Visando também trabalhar a autonomia e a iniciativa própria, resolvi montar e aplicar esse projeto.

Naveguei na internet e não encontrei projetos prontos. Fiz uma miscelânea de diversos planos de aula que encontrei para poder trabalhar com eles. 

As atividades que fizeram impressas, foi da Janaína Spolidório, que você pode comprar através desse link. Essas atividades não poderei compartilhar no blog, por motivos óbvios.

Voltando ao projeto, vamos aos objetivos:

  • valorizar o uso do dicionário na aprendizagem de novo repertório lexical;
  • despertar a curiosidade para o uso do dicionário;
  • conhecer as partes do dicionário;
  • buscar palavras no dicionário de um modo mais eficiente;
  • usar a sequência alfabética como recurso nas buscas de palavras e leitura de listas, agendas, dicionários, enciclopédias;
  • trabalhar a autonomia e iniciativa própria.

Na aula de apresentação do projeto, colar no quadro a seguinte imagem:

Questionar os alunos:

  • O que veem nessa imagem?
  • Qual é a fisionomia do rapaz?
  • O livro tem muitas ou poucas páginas?
  • Que tipo de livro ele está lendo?

Depois de ouvir as respostas e hipóteses levantadas pelos alunos, fazer o seguinte questionamento:

Será que ele está consultando o pai dos burros?

Talvez, os alunos não conheçam essa expressão. Explicar aos alunos que antigamente essa expressão era muito usada. Não se tem a origem exata, mas essa expressão popular vem de um dos dicionários mais famosos do Brasil, o Aurélio

O pai de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira era fabricante de carroças e era muito elogiado pelos seus clientes, ao ponto de muitas vezes eles não terem palavras para se expressarem. O então menino Aurélio criou o seu primeiro dicionário para anotar os elogios que os clientes poderiam utilizar para elogiar o trabalho do seu pai.

Aurélio nasceu em Passo do Camaragibe, Alagoas, em 3 de Maio de 1910. Foi professor desde os 14 anos, formou-se advogado e em 1929 mudou-se para o Rio de Janeiro e foi professor do Colégio Dom Pedro II, lecionando até os 70 anos. Foi um notável tradutor do francês, espanhol e italiano. Faleceu em 28 de fevereiro de 1989.

A expressão pejorativa pai dos burros já foi muito usado pelas pessoas em geral; entretanto, com a difusão da informação e da cultura, essa expressão mesmo se ainda for usada, não demonstra ignorância, mas inteligência em querer aprender palavras e significados novos.

Curiosidades

1. Quais palavras da língua portuguesa não tem tradução literal em outros idiomas?
R. saudade, cafuné, farofa, malandro e malemolente.

2. Qual é a maior palavra da língua portuguesa?
R. Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico, com 46 letras e é a pessoa que sofre de uma doença pulmonar causada pela aspiração de cinzas vulcânicas.

3. Sempre surgem novas palavras (tuitar, por exemplo) e outras caem no esquecimento:

quiprocó: confusão
chumbrega: estranho, feio
carraspana: bebedeira

O Aurélio Online tem mais de 230.000 verbetes.



Na segunda aula do projeto, os alunos receberão essa atividade elaborada por mim. É uma reportagem que eles deverão ler, grifar com lápis de cor as palavras que não conhecem, procurá-las no dicionário e escrever os significados no caderno e colocar os sinônimos de palavras escolhidas no texto. 




Na terceira aula, a professora perguntará a cada um dos alunos  o nome dos membros da sua família (pai, mãe, irmãos) e irá anotando no quadro. No caderno, os alunos deverão anotar todos esses nomes em ordem alfabética. O objetivo dessa atividade é trabalhar a sequência alfabética que é necessária aos alunos para encontrarem as palavras no dicionário.




Nessa mesma aula, os alunos montarão o dicionário da turma. Esse dicionário irá conter os nomes de cada aluno e professores, com descrições de natureza física e afetiva sobre os colegas, incorporando etimologia, abreviações e outros conceitos importantes. Confeccionarão um cartaz com esses dados para exposição no corredor da escola.




Na quarta aula, os alunos participarão de uma atividade lúdica. Todos os alunos ficarão em pé no fundo da sala. No meio da sala, estará duas mesas com os dicionários deles dispostos lado a lado. Serão orientados a ficarem virados para a parede, enquanto a professora escreve o nome de uma palavra (no total serão 10, até o final do jogo). Ao sinal da professora, todos se viram ao mesmo tempo, leem a palavra e vão até o seu dicionário, procurar a palavra e ir até o quadro e ler o significado. O aluno que encontrar mais palavras, ganha um brinde.





Na quinta aula, serão selecionadas pela professora, algumas palavras que não são usadas pelos alunos. Será montada uma tabela no quadro, com  a palavra, uma coluna com o significado que a turma levantou a hipótese e depois o significado verdadeiro. Os alunos vão comparar se as hipóteses que levantaram condiz com o que realmente é.


Na sexta aula, participarão de um stop modificado: receberão uma lista como as que são feitas no jogo, contendo os seguintes itens 

  • nome feminino
  • nome masculino
  • objeto
  • profissão
  • animal
  • flor
  • cor
  • cep
  • carro
Depois que todos receberem as suas listas, deverão preencher os dados com as letras do alfabeto, consultando o dicionário para encontrar palavras quando tiverem dificuldades ou não lembrarem. Os alunos terão meia hora para preencherem a lista. Depois que terminar o tempo, cada aluno deverá ler os itens que respondeu, marcando as seguintes pontuações:

  • 10 pontos para palavras não repetidas;
  • 5 pontos para palavras repetidas;
  • 0 pontos para as não respondidas.
O aluno que fizer a maior pontuação, ganha um brinde. Clique aqui e baixe a planilha do stop.


Na sétima aula, os alunos deverão produzir um texto ou copiar um texto ditado pela professora. A professora recolherá e grifará as palavras que estão ortograficamente incorretas e devolverá aos alunos, para que consultem o dicionário para encontrar a grafia correta e corrigir o texto.

Essas são as atividades que serão conduzidas aos alunos, além das atividades impressas da Janaína Spolidório.

No final do projeto, as atividades impressas - Projeto Dicionário da Profª Janaína Spolidório - que os alunos levaram para casa para mostrar aos pais. 





Postagem anterior
Próxima postagem

Elaborado e escrito por:

Pedagoga, artesã, adepta da paleo, crossfiteira, esposa e mãe. Criatividade à flor da pele. 

0 comentários: