domingo, 24 de maio de 2015


O que é criatividade? Criatividade é a capacidade de pensar e fazer diferente, é fugir do senso comum, pensar e agir de uma forma que raramente outra pessoa faria. E se tratando da Educação, a criatividade é uma excelente ferramenta para captar a atenção dos alunos e estimular neles a vontade de aprender e ampliar o conhecimento.

HISTÓRIAS DE UM DESENGANO

Era uma vez um menino bastante pequeno. E havia uma grande escola. Mas quando o menininho descobriu que podia ir a sua sala, atravessando a porta, ele ficou feliz. E a escola não parecia mais tão grande como antes. Uma manhã a professora disse:
- Hoje vamos fazer um desenho!
Que bom! – pensou o menino. Ele gostava de fazer desenhos. Podia fazê-los de todos os tipos: leões, galinhas, vacas, barcos, trens: apanhou sua caixa de lápis de cor e começou a desenhar. Mas a professora disse:
- Esperem! Ainda não é hora de começar!
E ele esperou até que todos estivessem preparados.
Agora – disse a professora – vamos desenhar flores!
Que bom! – pensou o menino. Ele gostava de desenhar flores. E começou a desenhar flores com seu lápis cor-de-rosa, laranja e azul. Mas a professora disse:
- Esperem! Vou mostrar-lhes como fazer.
E a flor era vermelha com talo verde.
- Assim – disse a professora. Agora vocês podem começar.
Então ele observou a flor. Gostava mais da sua, porém, não podia dizer isso. Trocou  o papel e desenhou uma flor igual à da sua professora: vermelha com talo verde.
Outro dia, quando o menino estava em aula ao ar livre, a professora disse:
- Hoje vamos fazer alguma coisa com barro.
Que bom! – pensou o menino. Ele gostava do barro. Podia fazer todo tipo de coisas: elefantes, cangurus, carros, caminhões. Começou a juntar e amassar sua bola de barro. Porém, a professora disse:
- Esperem! Não é hora de começar.
E ele esperou até que todos estivessem preparados.
- Agora – disse a professora – faremos um prato.
Que bom! – pensou o menino. Ele gostava de fazer pratos de todas as formas e tamanhos. A professora disse:
- Esperem! Vou mostrar-lhes como fazer. E mostrou a todos como fazer um prato fundo.
- Assim – disse – agora vocês podem começar.
O menino observou o prato da professora. Então observou o próprio prato. Ele gostava mais do seu prato do que o da professora. Porém, não podia dizer isso. Amassou seu barro, fazendo novamente uma grande bola e fez um prato igual ao da professora. Um prato fundo. E logo, o menino aprendeu a esperar e a observar e a fazer as coisas exatamente como a professora. E em pouco tempo ele não fazia mais  as coisas por si mesmo.
Então, aconteceu que o menino e a sua família mudaram-se para outra casa, em outra cidade e o menino tinha de ir para outra escola.
E no primeiro dia de aula ele estava ali. A professora disse:
- Hoje faremos um desenho.
Que bom! – pensou o menino. E esperou que a professora dissesse como fazer. Mas ela não disse. Apenas percorria a sala. Viu-o e disse-lhe:
- Não queres desenhar?
- Sim, o que vamos fazer?
- Eu não sei, qualquer coisa.
- Como poderei fazer?
- Como queiras.
- De que cor?
- Se todo mundo fizesse o mesmo desenho e usasse as mesmas cores, como saber quem fez o que e qual o desenho de cada um?
- Eu não sei – disse o menino.
E começou a desenhar uma flor vermelha com talo verde.

a)    O que significa criatividade para você?
b)    Você respeita e valoriza a criatividade do outro?
c)    Você valoriza as histórias e experiências de vida das pessoas que te cercam? Como?
d)    Qual a diferença entre os dois professores? Com qual deles você mais se identifica?

Ao preparar o conteúdo de sua aula, pense: 

"Se eu fosse o aluno, que tipo de dúvidas ou comentários faria?"

Mesmo com o material pronto, em mãos, ao estudar o conteúdo, pense em quais elementos e recursos audiovisuais podem ser integrados à aula para ajudar na fixação de conteúdos. Crianças, principalmente as pequenas, são muito visuais. Quanto mais gesticulada a história, até com entonações diferentes da voz e outros elementos, a criança foca no que está sendo falado e aprende.

Mesmo que você vai contar para seus alunos a História da Criação, mesmo sabendo decor e salteado, nunca conduza a história no automático. É preciso se dispor a desconstruir e reconstruir o conteúdo que está sendo trabalhado, esmiuçar e descobrir novas formas de ensinar algo, de contar histórias, de agregar novas informações. Deixar a criatividade fluir!

Muitas  vezes será necessário pensar como a criança pensa; em outras, agir como agem (no que diz respeito a não ter medo de falar o que pensam). A criança é criativa, ela sempre procura soluções para algo, que na sua limitação, não tem; na sua simplicidade, ela traz respostas aos questionamentos das coisas do cotidiano. E o potencial da criatividade deve ser amplamente trabalhado, não somente nas aulas mas nas nossas vidas!
Postagem anterior
Próxima postagem

Elaborado e escrito por:

Pedagoga, artesã, adepta da paleo, crossfiteira, esposa e mãe. Criatividade à flor da pele. 

0 comentários: